O ministro das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto da Argentina, Santiago Cafiero, se reuniu no Brasil com seu homólogo Carlos França. Os medicamentos foram um dos eixos do encontro bilateral. Sobre isso, explicaram que a realização do Fórum Empresarial do Mercosul tratará sobre a integração produtiva no setor de fármacos e o desenvolvimento regional de vacinas.

Santiago Cafiero, na sua nova função de Ministro das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto da Argentina, participou de uma reunião com Carlos França, Ministro das Relações Exteriores do Brasil, na qual foram tratados os assuntos principais tanto da agenda bilateral quanto da regional. Ver Comunicado.

No encontro, celebrado na sexta-feira passada, em Brasília, as autoridades abordaram temáticas relativas ao Mercosul. Particularmente, foi colocada em destaque a realização do Fórum Empresarial do Mercosul que tratará sobre a integração produtiva no setor de fármacos, o desenvolvimento regional de vacinas e a oferta dos insumos estratégicos para os países do bloco.

Os ministros se comprometeram a identificar e coordenar ações para impulsionar a recuperação econômica na pós-pandemia da COVID-19 em diferentes âmbitos. Isto inclui a integração produtiva com os circuitos comerciais globais, a economia digital e dos serviços baseados no conhecimento, o setor energético e o setor da saúde.

Ao mesmo tempo, tanto Cafiero quanto França se declararam dispostos a continuar trabalhando na consolidação do Mercosul como plataforma conjunta de inserção internacional, inclusive por meio da negociação de acordos extrarregionais, a melhoria do marco regulatório e o aperfeiçoamento das regras de origem.

Do mesmo modo, as partes conseguiram reunir os consensos necessários para definir com os outros parceiros do MERCOSUL os alcances e características da revisão da Tarifa Externa Comum. De acordo com as informações dadas, esse ponto é considerado um passo importante para aumentar a competitividade dos Estados Partes e para fortalecer os processos produtivos regionais que permitam promover uma inserção favorável da produção do MERCOSUL nas cadeias globais de valor.

Dejar respuesta

Escriba su comentario
Ingrese su nombre